Apae Natal - RN

Apae Natal

Em Natal, a APAE foi criada pelo Clube de Pais e Mestres da Clínica Pedagógica Professor Heitor Carrilho, e fundada, em caráter provisório, no dia 31 de outubro de 1959, sem responsabilidade jurídica, agregada à Sociedade Professor Heitor Carrilho, que desenvolvia um trabalho com crianças excepcionais. Teve como sócios fundadores, 28 pessoas no total, destacando-se entre outros, o Dr. Severino Lopes, médico e presidente da Clínica, o Sr. Militão Chaves, comerciante e pai de um filho com deficiência e o Dr. Boanerges Januário, Advogado. 

Com a criação da Federação Nacional das APAEs (1962), a APAE - Natal adequou-se às determinações normativas, para seu reconhecimento legal. No dia 4 de setembro de 1964, seu Estatuto foi aprovado e publicado no Diário Oficial do Estado, e sua Ata de Fundação foi lavrada no dia 6 de setembro do mesmo ano, na casa da Sra. Ione de Paiva, integrante do grupo de voluntários da Clínica, uma vez que a APAE/Natal ainda não tinha sede própria. Posteriormente, foi reconhecida de Utilidade Pública pela Lei Estadual n.º 4086, com publicação no Diário Oficial, no dia 3 de setembro de 1972  e reconhecida de Utilidade Pública Federal, por meio do Decreto n.º 97476, de 25 de janeiro de 1989. 

O primeiro presidente da APAE - Natal foi o Dr. Boanerges S. de Araújo, a convite do Dr. Severino Lopes, Presidente da Clínica, sendo Vice-Presidente o Sr. João Perceval de Farias e o Primeiro Secretário, o Sr. Arthur Moreira Dias. Na eleição da primeira diretoria oficial da Instituição, no dia 8 de novembro de 1964, o Dr. Boanerges Januário foi reeleito para um mandato de mais de um ano. 

As reuniões dos associados eram esporádicas e realizadas em lugares diversos, na Casa de Saúde Natal, outras no edifício do SESC, em casas dos membros da Associação, principalmente, na casa do Sr. Militão Chaves. Nesses encontros, discutia-se, principalmente, a falta de verbas para manter as atividades da entidade e possíveis formas de sanar os problemas que iam surgindo.

Tanto a APAE/Natal quanto a Clínica sobreviviam de doações e da promoção de eventos como: desfiles, churrascos, bazares, exposições, festivais e sorteios, no intuito de angariar fundos para continuidade das atividades. As dificuldades eram muitas, e os recursos que conseguiamnão eram suficientes. 

A sociedade, de modo geral, não tinha muito conhecimento da causa dos excepcionais, necessitando-se criar formas de divulgação de todo trabalho realizado junto às crianças com necessidades especiais. Surge então, a 1ª.Semana do Excepcional, realizada em Natal, no período de 5 a 12 de novembro de 1960, com a participação dos alunos da APAE - Natal e da Clínica.As comemorações dessa semana prolongam-se até os dias atuais, uma vez que ainda existe a necessidade de chamar atenção de toda a sociedade para a questão da pessoa com deficiência. 

Como citado anteriormente, a APAE/Natal funcionava nas dependências da Clínica Heitor Carrilho, que se localizavam na esquina da Rua dos Potiguares com a Av. Amintas Barros, no bairro Dix-Sept Rosado. A aquisição do terreno para a construção da sede própria da APAE/Natal e de acordo como os livros de atas, o terreno, localizado na Rua Potiguares, em frente à Clínica, foi adquirido e doado pela Firma R. Chaves e Cia., de propriedade do Sr. Militão Chaves, que era uma personalidade atuante em prol dos excepcionais e da própria Instituição, exercendo diversos cargos, inclusive o de presidente.  A construção do prédio foi executada aos poucos, dependendo das doações conseguidas das empresas da cidade, e dos recursos disponíveis e arrecadados dos eventos promovidos pela Entidade.

Até meados de 1980, a APAE/Natal passou por várias crises financeiras. Em 1981, foi eleita Presidente da Instituição, a Primeira Dama do Estado, Sra. Vilma Maia, a Presidente da APAE/Natal. Dados daquela época apontavam que, em Natal havia cerca de 3% de excepcionais, o que representava, aproximadamente, 13 mil pessoas, e que, a maioria, não tinha o tratamento adequado. 

Segundo Vilma Maia, a ONU (Organização das Nações Unidas), interessou-se por campanhas pró-deficientes, implantando o Ano Internacional do Excepcional, comemorado em 1982. Após engajamento da Primeira Dama do Estado, que também era a Presidente da Comissão Estadual do Ano Internacional do Excepcional, na causa das pessoas com deficiência, a Entidade começou a caminhar. Primeiramente, houve desligamentocom as atividades da Clínica Heitor Carrilho, depois, conseguiram convênios como Município, o Estado e o Governo Federal, e, cada vez mais, contava-se com apoio de empresas locais para realização de eventos. 

Embora eleita Presidente da APAE/Natal, a professora Vilma Maia, no dia 24 de agosto de 1982, para o cargo no período de 1982 a 1984, ela não cumpriu todo o mandato devido às diversas atividades que exercia na posição de Primeira Dama. 

A partir do ano de 1984, a APAE/Natal teve os seguintes Presidentes:

 

 

DIRETORIA EXECUTIVA

Presidente

Murilo Celeste Barros
Vice Presidente Davis Coelho Eudes da Costa
1º Diretor Secretário Ségio Luiz Garcia Anache
2º Diretor Secretário Maria Conceição de Aquino
1º Diretor Financeiro​ Myrian Altoé Nogueira Costa
2º Diretor Financeiro​ Maria Fátima Filgueira
Diretora Social Ana Lúcia Rodrigues dos Santos Silva
Diretor de Patrimônio Demeval Antunes Pessoa
 

 

Atendimentos e campanhas

- Campanha de Sócios por Tásia Maria Lemos Ferreira,visa fortalecer o Movimento e, também, foi Vice-Presidente Regional da Federação Nacional das Apaes. 

- Criação da padaria Apaea na em 10/4/92 pelo Dr. Murilo Celeste Barros, funcionando como Oficina Pedagógica para atendimento e preparação de mão de obra qualificada (recurso Projeto CBIA – Centro Brasileiro para a Infância e Adolescência). A Oficina Pedagógica foi extinta,decorrente da mudança de moeda no País, e os entraves financeiros para manutenção do trabalho.

-Primeiros convênios (1986), com órgãos oficiais: DEMEC/CENESP/MEC, Legião Brasileira de Assistência (LBA), Secretarias de Educação do Estado e do Município, Secretaria do Trabalho e Bem Estar Social.

-Oficializou-se o regime de semi-internato na Apae/Natal (1986), que não teve continuidade por questões financeira e estrutural. No mesmo ano, foi assinado o registro da Apae no Conselho Nacional do Serviço Social (CNAS) e concedido o Certificado de Filantropia. 

A APAE de Natal/RN, atualmente, como entidade particular de caráter civil de fins filantrópicos, tem a missão de promover e articular ações de defesa de direitos, prevenção, orientação, prestação de serviços e apoio à família, direcionados à melhoria da qualidade de vida da pessoa portadora de deficiência e à construção de uma sociedade justa e solidária. Possui os seguintes atendimentos: 

- SETOR CLÍNICO Serviço Social; Fisioterapia Motora e Respiratória; Hidroterapia; Psicomotricidade; Fonoaudiologia; Ludoterapia; Odontologia; Pediatria; Brinquedoteca e Terapia Ocupacional. 

SETOR PEDAGÓGO: Atendimento Educacional Especializado (AEE) ; Psicopedagogia; Deficiência no Mercado de Trabalho; Projetos Especiais e Laboratório de Informática
LABORATÓRIOS OCUPACIONAIS Biblioteca; Sala de leitura; Capoeira; Dança e Arte). 

PROGRAMA DE GERAÇÃO DE EMPREGABILIDADE Cursos de Qualificação (alunos,familiares e comunidade)

Fenapaes  Feapaes - RN